HOMEM BRANCO HOMEM NEGRO
Jaime Rocha

LUZ NA CIDADE
Conor McPherson
14 Dezembro, 2005
A ÓPERA DE TRÊS VINTÉNS
Bertolt Brecht, Kurt Weill
8 Junho, 2005

HOMEM BRANCO HOMEM NEGRO

Jaime Rocha

DRAMATURGIA
Vera San Payo de Lemos
MÚSICA
Alexandre Manaia | Rui Melo
FIGURINOS
Vera San Payo de Lemos
LUZ
João Lourenço | Melim Teixeira
VÍDEO
João Lourenço
MONTAGEM DE VÍDEO
Subfilmes
ENCENAÇÃO
João Lourenço
COM
António Cordeiro | Carlos Paca
Um homem branco, militante anti-racista, ocupado a colar cartazes numa rua, encontra um homem negro. Entre os dois estabelece-se uma relação em que os dois papéis estão de certo modo pervertidos: o branco, imbuído de ideologia, esforça-se por incutir no negro os sentimentos de ódio racial de que este se confessa libertado de há muito.
Poderá a negação de um preconceito ser em si mesmo um outro preconceito, tão cego e desastroso como o anterior? Eis a questão tratada com humor e ironia em Homem Branco Homem Negro, a peça em dez quadros de Jaime Rocha que foi distinguida em 2004 com o Grande Prémio de Teatro Sociedade Portuguesa de Autores – Teatro Aberto e tem agora a sua estreia absoluta no Teatro Aberto com encenação de cenário de João Lourenço e interpretação de António Cordeiro como Homem Branco e Carlos Paca como Homem Negro.

Críticas

“…um tema tão interessante quanto complexo…”
– 6/08/2005 – Expresso Cartaz

“…actual e inteligente…”
– 14/08/2005 – Açoriano Oriental (Miguel Pedro Quadrio)

“…a não perder…”
– 22/08/2005 – Diário de Notícias

“ …uma mensagem clara e directa…”; “A não perder…”
– 12/08/2005 – O Independente (Diana Rocha)

“…belo texto, justamente premiado (…) que João Lourenço torna mais vivo…”
– 17/08/2005 – JL (Carlos Porto)

“…um espectáculo divertido e inquietante…”
– 24/08/2005 – Público (Rita Martins)

“ …encenada com enorme clareza, com fluência, com inteligência…”; “…os intérpretes são dois excelentes actores…”
– 3/09/2005 – Expresso (João Carneiro)