4 Actrizes, 4 Episódios
21 Janeiro, 2021

Carmen Dolores

1987_Jardim das Cerejas_destaque
Hoje é um dia triste para o país, para a cultura, para o teatro e para a companhia do Teatro Aberto. Despedimo-nos de uma das actrizes que será sempre uma das maiores vozes do teatro do século XX. A primeira vez que João Lourenço dirigiu esta grande actriz foi no espectáculo Espingardas da Mãe Carrar, a sua primeira encenação de um texto de Bertolt Brecht, em 1976. A força da sua representação era ímpar. Ela colaboraria com a companhia do Teatro Aberto várias vezes ao longo dos anos e foi no Teatro Aberto, num espectáculo também encenado por João Lourenço, Copenhaga, que se despediria dos palcos, tendo sido condecorada na Sala Vermelha após o espectáculo pelo então Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, em Maio de 2005, com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

A Carmen Dolores era não só uma actriz notável, uma comunicadora fascinante, uma voz inesquecível, mas era também de uma humanidade e de uma sensibilidade que lembraremos para sempre. Prestámos-lhe homenagem várias vezes, foi no Teatro Aberto que foram lançados os seus dois livros de memórias e aqui se honrará sempre a sua vida dedicada à arte de representar. Hoje os nossos sentimentos são também para o seu filho que a acompanhou sempre e para todos aqueles que não esquecerão a sua voz e a sua humanidade.

A foto de cena que escolhemos é do espectáculo Jardim das Cerejas, de Anton Tchekov apresentado em 1987 no Teatro Aberto com encenação de Joao Lourenço.