2010 - GRANDE PRÉMIO DE

TEATRO PORTUGUÊS

Esboço para um retrato

Rui Herbon


O álbum de família dramatiza a viagem iniciática empreendida pelo seu jovem protagonista rumo à idade adulta. Toda a família tentará apanhar um comboio ao qual, no fim, só subirá o adolescente José Luís, momento em que o pai lhe entrega o álbum de família. O jovem projecta o seu olhar sobre esse álbum e, enquanto observa as fotografias, tenta reconstruir-se a si mesmo, tenta voltar atrás para saber para onde vai. Para isso indaga nas suas origens, nos seus sentimentos, medos, sonhos e frustrações que se escondem por detrás das fotografias.

O tema que atravessa toda a obra é analisar o conceito e o significado do tempo. Não me interessou partir de um tempo ordenado em passado, presente e futuro; quis entrar no tempo da memória, que responde a outros parâmetros. A memória oferece-nos o fascínio da simultaneidade, a descoberta de que uma pessoa experimenta coisas diferentes, desconexas e inconciliáveis num mesmo momento. Já a experiência actual do tempo consiste sobretudo na consciência do instante em que nos encontramos: numa consciência do presente.


Excerto de HERBON, Rui “Esboço Para Um Retrato” in O Álbum de Família: [Programa]. Lisboa: Teatro Aberto, 2011. pp. 13-14.