A CRIADA ZERLINA
Hermann Broch

ALMA
Tiago Correia
11 Dezembro, 2019

A CRIADA ZERLINA

Hermann Broch

VERSÃO
António S. Ribeiro e José Ribeiro da Fonte
TRADUÇÃO
Suzana Muñoz
ENCENAÇÃO
João Botelho
CENOGRAFIA
Pedro Cabrita Reis
DESENHO DE LUZ
Nuno Meira
SONOPLASTIA
Sérgio Milhano
PRODUÇÃO EXECUTIVA
Nuno Pratas
INTERPRETAÇÃO
Luísa Cruz

Uma co-produção Centro Cultural de Belém e Culturproject
Na obra de Hermann Broch, Zerlina não é uma jovem camponesa desperta para os impulsos do corpo, mas uma velha criada, distante já da sua matriz instintual, para quem a estratégia erótica se transformou em estratégia discutiva. Mas o corpo e discurso são ambos modos, embora diferentes, de conhecimento e o exercício de Zerlina consiste justamente na laboriosa tradução do conhecimento instintual em conhecimento intelectual. Entre um e outro, como única mediadora, está a sua linguagem, em cuja rudimentaridade procura a sistematização de valores que assistem à sua conversão de «ser erótico» em «ser ético».

Luísa Cruz Globo de Ouro 2019 – Melhor Actriz de Teatro Pela Interpretação de “Zerlina”

Críticas

“Luísa Cruz não é uma actriz vulgar. (…) só uma interprete com a sua têmpera sempre crível e emocionante e cativante um texto que não quer saber de romantismos, que recusa o sentimentalismo e evita o lirismo tanto como o realismo como obstáculos ao seu devir, no processo tornando a plateia sua cúmplice enquanto expõe a alma de Zerlina.” - Time Out – Rui Monteiro – 27/02/2019